sexta-feira, 19 de junho de 2009

Breve história de um jovem músico frustrado

Sempre gostou de música. Sim, isso é inegável, e até um tanto quanto inusitado já que não havia casos registrados de músicos em sua família, enfim, sempre foi um pouco diferente. Por não haver músicos na família seu contato com instrumentos foi difícil, muito difícil. Com seus 10 anos resolveu tomar posse de um velho violão de sua tia, não que ela tocasse, que estava entregue às traças, pode se dizer que foi até um favor o que ele fez e, salvar o belo instrumento, pois era um lindo violão, tinha um fundo negro, sua frente era toda desenhada e feito de uma madeira muito boa, era definitivamente lindo! Então começou a fazer aulas, cuja as frequentava duas vezes por semana, eram aulas onde só frequentavam crianças, ele até ia bem, era um garoto dedicado, sempre estudando e torturando sua mãe, que era obrigada a aguentar o pimpolho estudando seu repertório com clássicos do cancioneiro popular como "Marcha soldado", " Capelinha de melão", "Baile dos passarinhos" e por ai vai. Era uma verdadeira tortura com a pobre senhora! E ela ainda achava que o menino levava jeito, sem contar que havia virado atração principal nos encontros de família, tocando para a vovó e a titia. O tempo foi passando e o violão ficou pra trás. Agora ele queria ousar, lá pelos seus 12 anos acabou entrando na onda do primo "ovelha negra" da família e entrou numa vibe Heavy metal, ficou cabeludo e começou a usar só roupas pretas, agora ele era do mal. Chegou até a montar uma banda, que (acredite se quiser) juntos nunca tocaram uma música nem um ensaio, só que tudo por um motivo simples: ninguém tocava NADA! fato que nunca os impediu de dizer que tinham uma banda, afinal a esperança é a última que morre ( ou a única que morre) e os garotos permaneciam unidos em um só objetivo, nunca levado a sério. Já estava até desistindo da idéia de ser músico até que apareceu uma banda. Era tudo o que ele estava esperando nesses anos todos, era chegado a hora de usar todo seu conhecimento musical e de mostar todo seu talento!! Isso porque agora ele era membro da Banda Marcial da escola tocando trombone!!! Podemos dizer que estava no fundo do poço, ou não, afinal quantas pessoas você conhece que toca trombone? Aliás, você sabe o que é um trombone? Talvez esse seja o glamour, se é que existe algum glamour, em tocar um trombone, um instrumento exótico, que poucos dominam (ou se interessem), mas a verdade é que todos se impressionam. Bom, mas ele não escolheu o trombone, digamos que foi "convidado" pelo maestro a tocar, pois se pudesse escolher, certamente não seria o trombone. Mais ele encarou, pegou o bocal e logo de cara saiu tocando a metalera, e não diferente das aulas de violão ele se dedicava ao seu novo instrumento, talvez porque cada vez que errava uma nota levava um cascudo do maestro/professor, e a música principal da banda era "la bamba", foram quatro anos de "la bamda" desfilando nos aniversários da cidade, nesses 4 anos a banda trocou de maestro 3 vezes, ninguém conseguia fazer aquela várzea tocar, mais ele sempre esteve lá, firme e forte segurando o naipe de trombones, muitas vezes formado apenas por ele mas sempre dando conta de tucar suas partes, e acabou ganhando um status de músico de verdade. Estava realizado! Já podia morrer feliz. Finalmente ele era reconhecido, mesmo não tocando nada, mesmo sem nenhuma técnica, mesmo tocando numa banda de fundo de quintal, mas ele era feliz com aquilo, muito feliz. Sim, esse realmente ama a música, se sacrifica por ela, se dedica. Talvez porque como diria Nietzsche, "a vida sem música seria um erro". Talvez ele largue o seu velho amigo trombone, ou talvez continue tocando e quem sabe até não consiga realmente tocar aquilo de verdade, pelo menos ele tentou e certamente vai continuar tentando.

7 comentários:

Felipe Fachiolli disse...

Meu garoto, meu boy
futuro trombonista da osesp

renata menezes disse...

"afinal a esperança é a última que morre ( ou a única que morre)", adorei! :**

Laura disse...

quero veer você tocando trombone ! hahahaha ;**

Iarinha disse...

sempre falo que seus textos são bons, mas esse realmente ficou EXCELENTE! parabéns pela criatividade em frieend! hahaha e espero que ninguém largue o trombone! hahaha

Pati disse...

Eu acho que conheço esse tal jovem uahuhaua muito bom ;*

Gabriela Domiciano disse...

Importante é não desistir!!

=)

Anônimo disse...

Gostei muito de seu texto.
Se voce toca bem ou não, só ouvindo mesmo, mas uma coisa eu tenho certeza.
Voce em talento para escrever.
Olhe, acho que voce poderia ter uma coluna de jornal.